Sobre Começos

Por Mariana Raad, .
Sobre Começos

Hoje eu quero falar sobre começos. Sobre o que é novo. Sobre caminhos ainda desconhecidos, sobre pessoas ainda não vistas, sobre vidas ainda não vividas. Quero falar sobre o tempo, sobre uma nova experiência, novas consequências, sobre novas possibilidades.

Sobre essa estrada em que todos nós somos jogados, invariavelmente, sem ao menos saber onde ela vai dar. E mais: sem saber também aonde e quando queremos chegar! Mas a gente vai indo, vai seguindo o fluxo, seguindo o baile, seguindo em frente. Tropeça dali, levanta daqui, faz alguns desvios, pára em alguns sinais amarelos, outros vermelhos, se perde e vez ou outra, se acha.

Porque desde o instante em que nascemos – e passamos muitos anos sem nos dar conta disso [tem gente que passa até uma vida inteira] – somos presenteados com um mundo todinho de oportunidades. Uma folha em branco e lápis de todas as cores – do cinza ao arco-íris. Tudo para que a gente trace os caminhos e pinte o mundo da forma e no tempo que a gente quiser. Borracha é relativo; ela até consegue apagar algumas coisas. Mas na maioria das vezes as marcas ficam.

E é das marcas que deixamos que a nossa vida é feita.

As nossas vontades, as nossas ambições, as nossas decisões, os impactos de cada sim e não que dizemos, tudo isso está relacionado com o tempo e com as marcas que vamos deixando por aí. Todo caminho que escolhemos, toda opção da qual abrimos mão… A vida anda a passos largos e fazer um pouco de silêncio, para conseguir ouvir o barulho que vem de dentro, é essencial.

E para complicar, nem sempre esse é um som muito nítido. Tem tanto ruído, tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo a nossa volta, que fica difícil entendermos o que nós mesmos estamos nos dizendo. Surge uma inquietude, uma insatisfação, e ficamos ali, incomodados, tentando matar a charada como num jogo de adivinhação.

Pode ser um relacionamento que não está mais funcionando, um trabalho que não mais nos preenche, uma cidade que não mais acolhe e conforta. E é como num passe de mágica: de repente, nos damos conta de que o tempo está passando em uma ampulheta acelerada e que estamos mais estáticos do que gostaríamos.

Depois de um pânico inicial, geralmente concluímos que chegou a hora de renovar, de se mexer, de recomeçar. E é importante sabermos que pode ser um movimento leve, suave, plástico. Acredite, a velocidade aqui não é o X da questão.

Pode ser no tempo de um pôr do sol ou durante um ano sabático em um lugar desconhecido. Pode ser contando carneirinhos antes de dormir ou batendo papo com amigos queridos. A percepção dessa angustia surge e fugir dela é em vão.

A vida precisa ser interessante.

Então repense seus conceitos, duvide das suas certezas, se descubra e depois se redescubra. Perceba sem dor que o que te cerca pode não ser exatamente aquilo que você deseja. E mais: você pode não saber exatamente aquilo que você deseja. E tudo bem.

Pode arriscar uma nova cidade, uma nova profissão, um novo hobby, novo amor, novas companhias, novos planos. E pode mudar de ideia também mesmo depois de já ter mudado. O tempo é contínuo, e as coisas passam. Respeite as suas loucuras e dê ouvidos à sua intuição.

É importante estarmos atentos e abertos aos sinais de que chegou o momento da mudança. E mais importante ainda é sabermos que não existe tarde demais. O recomeço rejuvenesce. Nos torna novos em folha; uma nova folha em branco. Então sente com carinho, separe uma xícara de chá, uma taça de vinho ou um copo de cerveja, e inicie os seus rabiscos. Vai ser feliz no seu tempo. E volta quando quiser. Se quiser.

Sobre Começos 1

  1. Que delícia de texto!❤

  2. Tulio Carvalho Duarte

    Daqueles textos que te fazem repensar sobre a vida inteira, passado presente e futuro, fiquei impressionado com a capacidade de desafiar, motivar e criar choque de realidade, tudo ao mesmo tempo!
    Obrigado por me deixar sem palavras.

  3. Ñ se afobe tudo vai chegando no seu tempo, cabe a nós avaliarmos se isso ou aquilo é bom para aquele momento. Cada pôr-de-sol é diferente do outro cada bebida tem um sabor diferente a cada xícara, cada copo ou cada tulipa de acordo como bebemos nos diferentes momentos em que bebemos, depende da companhia, do lugar e de como estamos naquela hora!!!! Busque sua felicidade. Na vida temos alegrias, tristezas, momentos maravilhosos e outros não, mas tudo é vida e vamos em frente e enfrente!!! Adorei!!! Beijos

Hey Jude,

Talvez você goste destas aqui também: